quinta-feira, 23 de junho de 2016

As múltiplas veredas de um escritor empático

Autor de clássicos como Bonequinha de luxo, A sangue frio, Truman Capote não teve, como boa parte dos grandes escritores, o reconhecimento no início de carreira. Truman Capote inaugurou na literatura, no início dos anos 60, um gênero denominado romance de não-ficção e por ele enveredou com a obra A sangue frio. Baseado em um assassinato real que chocou a região local de Kansas, o romance de Capote virou um marco na história do jornalismo e literário. 

Porém, num tempo onde a segregação era forte, sobretudo à sua sexualidade, Capote enfrentou problemas como separação dos pais e migrações. Talvez resida aí uma das maiores características do mais recente lançamento Primeiros Contos de Truman Capote (The early stories of Truman Capote, Tradução de Clóvis Marques, Editora José Olympio, 2016, 160 páginas, R$ 32,90).

Fruto de um casamento falido, Capote herdou do pai o talento de contar histórias, aprendeu sozinho as habilidades de leitura e com 11 anos já passava 3 horas escrevendo. E é dessa época os contos que compõem este livro.

A história da publicação do livro inicia em 2013, quando encontrou-se, nos arquivos do próprio autor na Biblioteca Pública de Nova York, escritos que logo seriam publicados como os primeiros contos do autor americano. São 14 histórias curtas (contos), que retratam excluídos, marginalizados e outras minorias.
Iniciando a carreira literária aos 11 anos, Truman produziu páginas que seriam publicadas nas principais revistas e jornais literários do seu país. Não se pode precisar a data de criação de cada histórias, mas todos foram escritos antes dos 20 anos do autor.

Nestes primeiros contos vemos um autor em formação, onde a empatia é a característica predominante nas breves histórias que não passam de 15 páginas cada uma. Algumas chegam a 4 páginas e são de rápida leitura.

Outra característica nestes contos é a existência de protagonistas femininas. Com duas exceções (Despedida e Terror no pântano), os demais contos contam histórias onde mulheres são as principais personagens.

No primeiro conto da antologia (Despedida), acompanhamos a história de uma dupla de bandidos e o carinho de um pelo outro diante da possibilidade de uma separação da dupla.
Um dos melhores contos (Senhorita Belle Rankin) traz os mistérios que sondam a existência da senhora Rankin, que cultiva as mais bonitas camélias. O conto tem uma beleza no rumo que a história segue até um dos finais mais surpreendentes da antologia. O final dos contos é uma peculiaridade que torna os contos um pouco angustiantes e melancólicos.
"A loja do moinho" tem um fim que beira ao drama, assim como em "Se eu te esquecer". Fica a cogitação do leitor sobre o que vem a seguir, logo depois do fim. 
O conto Hilda retrata uma menina que, apontada pela diretora da escola como ladra, deixa o leitor sem esperanças, coisa muito rara nos contos do livro. Nele não há páginas onde exista esperança para o destino de alguns personagens. Muitos deles já tem o destino traçado no início da história
O conto "Mariposa no fogo", onde uma menina recebe uma visita estranha, guarda um tom de suspense até o final
Outros contos merecem destaque, como o famoso "Louise" e "Lucy", que fizeram de Truman um ótimo contista e retratam a mulher no papel condutor da histórias,


O escritor escolheu situações onde existe tensão, onde os marginalizados e os mais vulneráveis tivessem destaque. A sensação que temos é a de que algo ruim sempre irá acontecer a algum dos personagens, seja algo trágico, melancólico ou perigoso.
 
Em sua maioria, os contos mostram a visão de um escritor que tem empatia e  está em sintonia com as expectativas de um público leitor. Embora os primeiros contos tenham sido escritos numa fase ainda jovem do escritor, Capote foi um bom retratista e aqui já podemos ver as características que farão dele um dos grandes escritores americanos.

Com um prefácio de Hilton Als, crítico da "The New Yorker", e um posfácio de David Ebershoff, o responsável pela publicação em inglês, o livro está bem diagramado, com uma foto do autor quando da possível época da produção dos contos. O único parênteses na capa do livro denuncia a singularidade das histórias e do autor. Coisas necessárias nos bons livros, a Editora José Olympio inseriu não só um prefácio, mas um posfácio, notas biográficas e dados sobre o  Truman Capote Literary Trust. O papel soft-touch da capa, o contraste do black and white da capa com o verde dá à edição do livro um charme de vitrine de livraria.
Aos leitores de histórias curtas e àqueles que gostam de contos sensíveis, os primeiros contos de Capote são uma boa pedida.



Sobre o autor: Truman Streckfus Persons, mais conhecido como Truman Capote, foi um escritor norte-americano. Dono de uma vida tão polêmica como grandes foram suas obras, Truman foi o pai do romance de "não-ficção", tendo sido pioneiro do jornalismo literário. Sua mais conhecido trabalho, A Sangue Frio (1966), representou uma revolução nos campos do jornalismo e da literatura, tornando-se um clássico instantâneo. Sua obra tem um singular enfoque jornalístico que combina reminiscências infantis e sulistas com intrigas da alta sociedade. Morreu por causa de seu vício por álcool e barbitúricos, deixando seu último romance Súplicas atendidas (1987) inacabado.

Outras Links e Curiosidades:
 
Filme autoficcional sobre o autor:  https://filmow.com/capote-t1787/

Site sobre o autor: http://www.capotebio.com/
Textos do autor publicados na Revista New Yorker: http://www.newyorker.com/contributors/truman-capote
Entrevista do autor à Paris Review: http://www.theparisreview.org/interviews/4867/the-art-of-fiction-no-17-truman-capote 

Fontes:
Skoob / Editora Record

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi. Grato pela visita. Sinta-se convidado a voltar sempre. Abraços.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...