quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Novidades do Papos Literários para 2014


 Vocês devem ter percebido que escasseamos as nossas postagens aqui.

Desde que eu, Thiago Felício, fundei o Papos Literários, eu não quis ler tudo o que caia nas minhas mãos, vindo das Editoras ou do Mercado Editorial, ou mais ainda, de livros que surgem e se vão com uma rapidez que eu não sei explicar. Eu procuro ser um pouco seletivo com as minhas leituras. Claro que aqui acolá eu leio algum livro vogue. Pois bem. 2013 foi um ano muuuuito corrido para mim. Fiquei sem um auxiliar no blog, de modo que tive que dar conta de muitos compromissos pessoais além de blogar.



É por isso que eu estou "caçando" um parceiro, um leitor, alguém que queira fazer parte do blog. Quem estiver interessado é só enviar um e-mail para mim. O único critério é que a pessoa se encaixe no perfil das leituras que são feitas aqui.



Em 2014 teremos:



  • A continuação do Projeto Proust. Iremos publicar a resenha dos livros restantes da obra "Em busca do tempo perdido". A obra é uma reedição pela Editora Globo . Obra capital de Marcel Proust, um dos maiores escritores do século XX, é de grande importância para seus velhos e novos amantes.A nova edição traz tradução de Mário Quintana e Lúcia Miguel Pereira. Esta nova edição ultrapassa as anteriores porque foi cuidadosamente preparada. Revista por Olgária Chaim Féres Matos, traz prefácio, cronologia, notas e resumo de Guilherme Ignácio da Silva e um valioso posfácio de Jeanne-Marie Gagnebin, professora de filosofia da PUC-SP.


  • Ainda do Projeto Proust, iremos comentar sobre o livro do filósofo Alain de Boton, "Como Proust pode mudar sua vida". Livro que causou frisson nos fãs do escritor francês na época do lançamento, o escritor Alain de Botton revela a fonte inesgotável de sábios conselhos para a vida cotidiana que se encerra na biografia, na correspondência e na obra de Marcel Proust. Das relações de amizade ao amor, da expressão dos sentimentos até a importância de se desfrutar o tempo e se deixar os livros de lado, Alain de Botton identifica na vida e obra do autor francês observações sobre a convivência humana, em que desponta o retrato vibrante de um escritor excêntrico, mas adorável, e um poderoso testemunho sobre o poder transformador da literatura. O livro foi publicado no Brasil aos cuidados atenciosos da jovem, mas da cuidadosa Intrínseca, sempre caprichosa nos livros.
  • Sobre Proust, falaremos também sobre a adaptação em HQ do primeiro volume de sua obra. A Editora Jorge Zahar foi a encarregada de verter para nós esta adaptação. Conheça brevemente um pouco da história: Na Paris da belle époque, Charles Swann é enfeitiçado pelos encantos de Odette de Crécy. Aristocrático e a princípio indiferente ao seu tipo de beleza, começa a enredar-se numa paixão doentia... Uma trama de poder e sedução. Excelente porta de entrada para a inesquecível experiência de se ler Proust, a presente série apresenta esse clássico da literatura mundial compilado de forma fiel ao original, o que permite ao leitor um contato direto com a obra do autor. As ilustrações recriam a Paris da época, compondo uma obra que certamente irá deliciar o público juvenil e adulto, os proustianos e amantes das artes visuais. O livro inclui ainda notas ilustradas que trazem informações e curiosidades para a leitura. "A edição brasileira dos quadrinhos proustianos termina com uma madeleine extra. Ao final do volume, o leitor nacional vai encontrar uma seção de notas que não existem no original.

  • Outro livro sobre Proust que iremos comentar aqui é o "A Arte do retrato em Marcel Proust", da editora Gryphus. Em A Arte do Retrato em Marcel Proust, de Alberto Xavier, o escritor francês, considerado um dos mais importantes da história, e sua mais famosa obra são o foco. Reunindo passagens de Em Busca do Tempo Perdido, este livro traça o retrato físico dos personagens que povoam seu universo. 

  • Em 2014 iniciarei aqui no blog um outro projeto. De modo semelhante ao do Proust, mas homenageando Franz Kafka. Então falaremos sobre "O último amor de Kafka," uma lancinante narrativa literária repleta de suspenses – é a incrível história de uma mulher que permaneceu ao lado do gênio literário Franz Kafka no final de sua vida. Kathi Diamant traz à luz a sur­preendente mulher que conquistou o coração de Kafka e manteve acesa a chama de sua obra literária por várias dé­cadas. Com seu espírito independente e deixando a Polônia chassídica familiar a fim de perseguir seus sonhos sionistas, foi ela quem convenceu Kafka a deixar a casa paterna e vi­ver junto dela em Berlim no ano anterior à morte do escritor.
  • Como nós prezamos os clássicos, claro que não poderíamos excluir das postagens 2014 do Papos Literários o célebre autor russo Dostoiévski. Obras pouco conhecidas do grande público, "Recordações da casa dos mortos" e "Humilhados e Ofendidos" são publicadas aqui no Brasil pela Editora Nova Aleexandria com muuuuuito esmero. O primeiro retrata o cotidiano e os traços psicológicos dos que foram segregados da sociedade numa prisão da Sibéria, onde o autor viveu sua própria experiência. Já o segundo, Por meio da história de uma família submetida às condições de penúria e degradação na cidade grande, Dostoiévski faz um retrato moral e psicológico de tons fortes sobre a natureza da condição humana.
  • Se nosso foco são os clássicos, então também apresentaremos, sugeriremos e comentaremos sobre a obra do irlandês James Joyce. As obras "Cartas a Nora" e "Epifanias" são as duas que apresentaremos de início. Sinopse de "Epifanias": Certa vez, Joyce olhou pela janela de seu apartamento e viu uma mulher no edifício ao lado puxando a corrente de descarga da privada. Para ele, essa cena aparentemente banal continha fortes implicações eróticas. Essa teria sido uma das muitas epifanias profanas de Joyce.Richard Ellmann lembra que um dos divertimentos favoritos do escritor era destruir velhas coisas solenes. Num determinado momento, o escritor irlandês ficou “contente por encontrar valor no que se esperava que ele condenasse como comum e vulgar”. Era assim que ele reinventava o mundo. Joyce teria “encorajado” Leopold Bloom (Ulisses) – só para mencionar seu mais célebre personagem – a infundir singularidade às coisas comuns. Como afirma Ellmann, “Bloom difere dos dublinenses menos importantes porque sua poesia interna é contínua, até nas situações menos promissoras”. Em Joyce, não há mais uma prosa, um dizer narrativo típico, “mas sim um feixe de forças, do tracejado que compõe sua própria ausência”, diz Piero Eyben no prefácio de sua bela tradução das Epifanias.
  • Sobre Joyce, tentamos ler a monumental "Finnegans Wake". Mas devido a obra ser complexa, grande e muito R$ cara, desisti.
  • O livro "Guernica", que deveria ter sido resenhado em 2013 ficou para 2014, infelizmente. Eu interrompi a leitura várias vezes. E ainda estou nessa. Mas daqui pra 2014 concluo ele. História e ficção se entrelaçam nesse bonito romance sobre a resistência de uma família, do amor entre os seus e das inabaláveis tradições bascas. O bombardeio de Guernica na véspera da Segunda Guerra Mundial foi um experimento devastador realizado pela Luftwaffe nazista durante a Guerra Civil Espanhola. Para os bascos, foi um ataque à alma de sua nação; para o mundo, um crime sem precedente na história da humanidade. Picasso ficou tão horrorizado com o ataque que resolveu imortalizar sua impressão em um mural que se tornaria para sempre um ícone mundial da atrocidade que o ser humano é capaz de cometer.

  • "A casa do céu", publicado pela best great Novo Conceito será nosso destaque já no primeiro trimestre. Mantida em cativeiro por 460 dias, Amanda Lindhout converteu-se ao islamismo como tática de sobrevivência, recebeu “;lições sobre como ser uma boa esposa”; e se arriscou em uma fuga audaciosa. Ocupando uma série de casas abandonadas no meio do deserto, ela sobreviveu através de suas lembranças — cada um dos detalhes do mundo em que vivia antes do cativeiro —, arquitetando estratégias, criando forças e esperança. Nos momentos de maior desespero, ela visitava uma casa no céu, muito acima da mulher aprisionada com correntes, no escuro e que sofria com as torturas que lhe eram impostas.  De maneira vívida e cheia de suspense, escrito como um excepcional romance, A Casa do Céu é a história íntima e dramática de uma jovem intrépida e de sua busca por compaixão em meio a uma adversidade inimaginável.
  • Um livro que mexeu com os meus nervos e, certamente, com muitos outros leitores é "O circo mecânico". A Editora genuinamente brasileira Dark Side Books chegou ao mercado editorial com uma proposta muito boa: só livros de terror". Confira a sinopse de "O circo mecânico Tresaulti": Em pleno cenário pós-apocalíptico, O Circo Mecânico Tresaulti ergue sua lona e dá início ao grande espetáculo. Ambientado sobre a perigosa superfície de um mundo devastado, cheio de bombas e radiação remanescentes de uma guerra pela qual todos já saíram derrotados, este belo romance nos apresenta uma caravana circense em eterna viagem através de muitas cidades sem país, região ou rota definida. Lugares que podem não mais existir quando o circo retornar. Aqueles que se juntam ao circo procuram segurança, trabalho sem risco de vida ou apenas uma nova forma de recomeçar. E seguir adiante, apesar de tudo. Boss, a força motora do circo, agrega novos personagens, atraídos pela sua habilidade muito especial para recuperar corpos mutilados pela guerra, criando assim magníficos seres mecânicos pós-humanos – repletos de complexas engrenagens, placas de ferro, pétalas de cobre, pulmões relojoaria, rodas e pistões –, cada um trazendo para o circo algo nunca visto e sentido antes.

E aí algum leitor pergunta: Não tem nenhuma obra brasileira não?
Tem sim, claro.


  • Tem "Com Clarice", da Marina Colassanti e Affonso Romano de Sant'Anna. O O livro se divide em três segmentos. O primeiro, “Com Clarice”, é uma sensível introdução à obra, com dois textos nos quais os amigos relembram carinhosamente facetas de seu convívio com a escritora. “De Ma­rina para Clarice” e “De Affonso para Clarice”, segunda e terceira partes, compõem-se de diversas crônicas sobre a escritora produzidas ao longo das últimas décadas, além de três ensaios de ca­ráter analítico sobre textos centrais de sua obra, como A maçã no escuro e A pai­xão segundo G.H.

  • Outra obra brasileira que nos seduziu foi "O céu pode esperar mais um pouquinho".O livro é meio perturbador. E eu gosto muito de livros assim. Um homem perdido nas memórias do passado. Perseguido por um detetive. A namorada é prostituta e matou um cara. A outra é uma garota cor de rosa. Ele leva um tiro. Quem teria interesse na sua morte? Desconectado do presente, antevendo um futuro borrado, ele vasculha a cabeça e o coração em busca de razões para continuar vivo. Será que o céu vai esperar? O livro conta a história de um homem encurralado pelo amor de duas mulheres, perdido entre realidade e imaginação. Sexo, desespero e paixão conduzem o leitor por uma trama nebulosa cuja solução está na cabeça do protagonista. Um homem cego pelo desejo, lúcido pelo sofrimento. Mas como saber se a história que contamos sobre nós mesmos é real ou imaginária? 
Claro que teremos muuuitas outras postagens literárias. Mas as que tenho programada são estas. 2014 se aproxima e o Papos Literários vem com novidades. É só ficar visitando a página de vez em quando para conferir. Ao longo do ano iremos publicar outras novidades.
Abraço

________________________________________
Fonte: Site das Editoras

Um comentário:

Postar um comentário

Oi. Grato pela visita. Sinta-se convidado a voltar sempre. Abraços.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...